sábado, 2 de outubro de 2010

O meu primeiro desespero! Esqueceram meu filho!




Hoje era para ser um sábado comum, mas com um evento especial. Eu ia para um Chá de Lingerie (clique para saber como foi o chá) de uma amiga que casa em dezembro e eu sou madrinha. Bom, o chá era surpresa. Combinei com o Renard de me deixar na casa dela, em Vicente de Carvalho, um bairro longe da minha casa, cerca de 50 minutos de carro. Eu ia chegar cedo e o Renard me pegaria a noite. Chegando na porta da casa da minha amiga, a Laiz, tirei o carrinho, tirei a bolsa e soltei o cinto da cadeirinha do Raphael. Nessa hora, o Renard disse: o caminhão quer passar. Eu fechei a porta achando que ele ia encostar mais à frente. Subi na casa da Laiz para deixar o carrinho e, então, voltar pra buscar meu bebê. Quando eu voltei, cadê o carro? O Renard tinha ido embora sem perceber que meu filho estava dentro do carro e sem cinto. E o pior, os motivos que me deixaram mais desesperada: meu marido trocou de celular essa semana e eu não tinha o número novo; era a primeira vez que ele ia nesse bairro de carro e não sabia direito onde era a casa da Laiz; ele resolveu ir embora por um caminho diferente, a linha amarela, que só daria pra ele voltar pra casa da minha amiga quando já tivesse quase em casa; Além de estar num caminho que não conhecia.
Enfim, voltando... Desci, quando eu não vi o carro, subi correndo: Debora (cunhada da Laiz), o Renard foi embora com meu filho. Até ai, eu ainda estava calma. Quando eu percebi que não tinha o telefone dele, me desesperei. Debora, eu quero meu filho, cadê meu filho. A Débora nervosa, sem saber o que dizer, mandava eu ligava pra ele. Liguei pro meu sogro chorando. Não queria contar o que aconteceu, só queria pegar o telefone do Renard. Mas ele viu que eu tava chorando e tive que contar o que houve.
Ele ligou pro Renard e perguntou:
- Meu filho, você está onde?
- Em Vicente de Carvalho.
- E o Raphael?
- Tá com a Débora.
Tu tu tu tu tu – acabou a bateria do celular dele.
Foi quando ele olhou pra trás e viu que o menino tava no carro. Gente, é sério. O Raphael é muito quieto. Ninguém vê que tem criança no carro. Normalmente, ele dorme, ai piora tudo.
Enquanto esse diálogo acontecia, eu estava desesperada, no meio da rua, chorando e gritando pelo meu filho. Resolvi descer para a praça de Vicente de Carvalho que fica duas ruas abaixo da onde a Laiz mora. Desci porque tinha esperança que ele voltaria e eu queria ver o carro. Eu chorando na praça, com o telefone na mão, tentando, em vão, falar com ele. Um casal no ponto de ônibus, olhando pra mim preocupado, perguntando se eu precisava de ajuda e eu nervosa... só pensava no Raphael.
Eu sei que foi exagero, ele estava com o pai. Mas, na hora do meu desespero, eu nem pensei nisso. Só lembrava que ele estava sem cinto, que o Renard ia subir pro apartamento e deixar ele no carro, que ele ia chorar querendo mamar e ia demorar muito pra ele trazer o Rapha pra mim, que ele ia se perder e não ia ter telefone pra falar comigo, que ele não tinha nem o endereço e nem o telefone da Laiz. Enfim, eu fiquei muito nervosa, fora de mim, desesperada, em pânico, quase tive um colapso.
Eu sempre fui uma mãe muito calma, desde que o Rapha nasceu. Nunca fui neurótica (tirando a alimentação e amamentação que eu sou chata). Mas, no geral, sempre fui muito segura, muito tranquila, muito em paz. Quem vê, sabe. Mas hoje, eu tive a primeira crise nervosa por causa do Raphael. Nossa, foi horrível. Eu sem saber se ele tava bem, se o Renard tinha visto ele, se ele não tinha caído da cadeirinha (porque ele ta levado, desde que aprendeu a sentar, fica se jogando pra frente quando está deitado), se meu marido ia conseguir trazer ele de volta, se ele não tava com fome...
No ápice do meu nervoso, eu avistei o carro dele. Sai correndo no meio da praça... Renarddddddddddddddd. Ele não ouviu. Aumentei a voz, até ele me ouvir. Não só ele como toda a praça. Quando ele me viu foi um alivio. Eu saí correndo, gritando: cadê meu filho... eu quero meu filho...
E pasme: o Raphael estava do mesmo jeito que eu o deixei, sem nem saber o que tava acontecendo. Quando me viu abriu um belo sorriso que me fez chorar mais.

4 comentários:

rebeka disse...

Nossa imagino como vc ficou... Ainda Bem q o Renard voltou..Ufa'
Tadinho do Raphinha nem sabia oq estava acontecendo...
Imagino ele olhando pra vc e sorrindo, q Liiiindo!!
Bjos Débora.

calzzzinha disse...

mooooooooooossa flor que péssimo, eu entendo totalmente a sua agonia querida ainda bem que Deus estava cuidando de tudo como sempre, amém?

te mandei a resposta do seu mail vc viu?

bjos, a paz!

Laiz Malafaia disse...

Comédia...rs
Mais uma historia pra eu contar pros meus filhos, sobre meu chá de lingerie...rs

Giselle disse...

Dé, escreva um livro contando as aventuras da Branquinho. Olha, vai fazer sucesso!Porque vc rí e chora ao mesmo tempo, quando lê o relato dessa mãe.Só podia ser a Débora!!!!
Lindona muitos Beijos.Ser mãe é ter o coração fora do corpo.É só a primeira experiência..rs..rs..

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...